Single Blog Title

This is a single blog caption
9 jun

Tudo o que você precisa saber sobre o Cristo Redentor

Uma das maravilhas mais importantes do mundo, o Cristo Redentor é povoado de mitos, curiosidades e verdades. Pensando em visitar? Veja antes, tudo o que você precisa saber.

Se você já teve a oportunidade de subir no topo do morro do Corcovado, provavelmente se encantou com tamanha obra – e tamanha magnitude da vista que a localização do Cristo oferece. Mas mesmo que você tenha só passado por ele, ou avistado de algum cantinho da Cidade Maravilhosa, já é o suficiente para se apaixonar! Agora vamos te contar um pouco sobre um dos pontos turísticos mais cobiçados do mundo. 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Haja nível de mar

A 709 metros acima do nível do mar, no Parque Nacional da Tijuca, o Cristo Redentor é hoje uma das novas maravilhas do mundo moderno. Em 2012, a UNESCO considerou o monumento como parte da paisagem do Rio de Janeiro, o incluindo na lista de Patrimônios da Humanidade. E não é para menos!

Matéria-Prima: Pedra-Sabão

Essa maravilha é feita de concreto armado e pedra-sabão, com trinta metros de altura, e mais oito até o pedestal. Já seus braços se esticam por 28 metros de largura, totalizando um peso de 635 toneladas! Imagine só se ele estivesse de sapatos? Eles teriam que ser do tamanho 530! Sendo assim, o Cristo é a segunda maior escultura do mundo, perdendo apenas para a Estátua de Cristo Rei de Świebodzi, na Polônia.

Fé e arte em um monumento

Símbolo do cristianismo brasileiro, ele teve seu projeto concebido pelo engenheiro brasileiro Heitor da Silva Costa e foi construído pelo escultor francês Paul Landowski e pelo engenheiro, também francês, Albert Caquot, entre os anos de 1922 e 1931 – quando foi inaugurado, no dia 12 de outubro, dia de Nossa Senhora Aparecida.

E você já reparou que desde São Cristóvão, passando pelo centro até mais ou menos o Leblon, ou seja, na região mais famosa do “errejota”, de absolutamente todos os lugares você consegue vê-lo? Bom, cheia de simbolismo, sua história começa desde o tempo do Império.

E a ideia, surgiu quando?

Quando D. Pedro II ainda era imperador, o fluxo até um dos pontos mais altos da cidade era cada vez mais frequente. Até que ele resolveu construir uma estada de ferro para o todo do Corcovado, sendo essa a primeira via turística do país. A inauguração foi um evento! E isso trouxe ainda mais visibilidade para este local. Até que da janela do colégio Imaculada Conceição, na Praia de Botafogo, um padre teve a ideia de construir um monumento religioso para o Rio.

O sacerdote francês Pierre-Marie Boss foi em frente com a sua ideia e achou que seria uma grande chance de comemorar o centenário da independência dando a cidade tamanha homenagem. Foi aberto um concurso para eleger qual seria o projeto executado e o engenheiro Heitor da Silva Costa venceu com o Cristo de braços abertos em formato de cruz. O povo gostou tanto que o trabalho acabou sendo totalmente construído a partir de doações, sendo essa uma grande campanha de arrecadação em nome da fé.

Quanto custou o Cristo Redentor?

O valor total da obra foi de 2.500 contos de réis, o que equivaleria a aproximadamente R$ 9,5 milhões hoje. Mas não pense que isso é muito! Para o tamanho do projeto, o custo foi baixo, graças ao uso de concreto armado. Para se ter uma noção, a Estátua da Liberdade, que tem armação metálica, saiu R$ 228 milhões.

E depois que o desenho já tinha sido escolhido, foi em Paris que ele encontrou quem o executasse. O escultor responsável, Albert Caquot, era especialista em concreto armado e ajudou a organizar a obra que foi feita aqui no Brasil. Só as mãos e cabeça foram importadas de fora, chegando aqui em um quebra-cabeça de mais de 55 peças!


Cristo-Redentor-1-760x866

Durante a construção do Cristo Redentor houve acidentes?

Não! No entanto, há relatos de que o mestre de obras, Heitor Levy, teria escapado ileso de sofrer uma queda que seria fatal. Devido a esse incidente, ele, que era judeu, se converteu ao catolicismo.

E para finalizar a obra, a pedra-sabão foi inserida. Pois este é um material bonito, maleável, resistente à erosão e em abundância no país. Para se imaginar quão resistente ele é, estudos apontam que o Cristo suportaria até mesmo os ventos de um furacão de categoria 5, como o furacão Katrina, que atingiu os EUA em 2005!

Um quebra-cabeças divino

Peças foram cortadas em milhares de triângulos e colocadas uma a uma na estátua. Uma curiosidade aqui, é que, como ato de fé e religiosidade, enquanto os pastilheiros adicionavam as peças, senhoras aproveitavam para escrever o nome de seus familiares nos versos das pedras.

E foi no dia 31 de junho de 1980 que o primeiro papa visitou o monumento. João Paulo II abençoou o Rio e aos pés do Cristo disse: “Se Deus é brasileiro, o Papa é carioca!”. Hoje o local já coleciona presenças ilustres, de grandes nomes como Dalai Lama, Princesa Diana, Príncipe Charles e o Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama.

20 anos depois o lugar ficou ainda mais acessível aumentando o número de visitantes de todo o mundo. E só ali de pertinho é possível ver um discreto coração, que é uma imagem estilizada do Sagrado Coração de Jesus. Medindo 1,30m, é a única parte do Monumento que, revestida de pedra-sabão, é projetada para o interior da construção. Através deste símbolo, no dia da inauguração, todo o Brasil foi consagrado ao Sagrado Coração. Dentro dele, o engenheiro mestre de obras Heitor Levy e o engenheiro fiscal Pedro Fernandes Viana colocaram um frasco de vidro, contendo um pergaminho com a árvore genealógica de ambas as famílias, como demonstração de fé e gratidão.

Ficou com vontade de ver de perto? Então vem visitar essa obra de arte!

Para chegar até o Cristo, você precisa subir o Morro do Corcovado. Você pode fazer isso de algumas formas: pelo serviço oficial de vans, pelo trem do Corcovado, de bike, de carro ou a pé (uma boa caminhadinha!). Chegando lá é só adquirir o ingresso e curtir o Parque da Tijuca. Sem dúvida, esta será uma experiência inesquecível!

FONTE: Agência Heidelberg 

 

Via A Cara do Rio.

 

 

Deixe um comentário